Por Breiller Pires

Sagaz a atitude de Daniel Alves ao comer a banana atirada por torcedores racistas na Espanha. Admirável também o apoio de seu companheiro Neymar.

Dois jogadores da expressão de Daniel Alves e Neymar, admirados tanto na seleção quanto no Barcelona, manifestando-se publicamente contra o racismo, têm um peso enorme.

O Brasil e o esporte carecem de um ídolo negro que tome partido, que não seja apenas espectador da realidade que o cerca e o oprime por causa de sua cor.

racismo_macacos

Mas há uma distorção na campanha lançada por Neymar, com fotos e vídeo nas redes sociais: #SomosTodosMacacos

O mote é não levar atos de racismo tão a sério, brincar com o preconceito até que o agressor se canse das ofensas.

Não se deve, em nenhuma hipótese, banalizar a discriminação racial. O troco de Daniel Alves foi sanguíneo, sarcástico, mas precisa de um discurso forte e incisivo para complementá-lo.

Eu não sou macaco. Nós não somos macacos. Ninguém merece ser chamado de macaco sob o estigma da segregação racial. Isso é grave e nunca pode ser relativizado.

Será que Tinga, do Cruzeiro, deveria ter dado de ombros aos grunhidos racistas que seguiram seus passos no Peru e deixado pra lá? Ou que o árbitro Márcio Chagas, vítima de racismo no Rio Grande do Sul, não teria sido radical ao abandonar a carreira depois do episódio?

No mundo ideal, quanto menos falarmos sobre racismo, mais teríamos avançado como sociedade. Porém, definitivamente, estamos muito longe desse mundo ideal.

neymar_banana

Enquanto isso, temos de protestar, sim, contra o racismo, a segregação, a discriminação racial. Gritar com todas as vozes e instrumentos diante de atos asquerosos como os sofridos recentemente por Neymar, Daniel Alves, Tinga, Arouca e Márcio Chagas.

Só tiramos “o peso” do racismo quando o combatemos com vigor, quando admitimos que não alcançamos a era da democracia racial e, principalmente, cobramos sanções severas a quem enxerga o negro como um estranho, um bicho, não como ser humano.

Entendo a ironia, mas a luta contra mais de um século de menosprezo vai muito além. Ignorar o preconceito ou debochar da estupidez do torcedor que atira uma banana ao gramado é dar as costas ao nosso passado de escravidão, que ainda se reflete em cores vivas no futebol, nas escolas, nas ruas, em nosso presente.

Neymar disse, em começo de carreira, que não se enxerga como negro.

Talvez por isso a discriminação que sofre em alguns campos da Europa o faça preferir tratar o assunto com desdém ao agressor, em vez de assumir seu papel social como craque, adotar uma postura combativa – de fato – ao racismo e reivindicar punição às autoridades do futebol.

Desculpa aí, Neymar, mas não somos macacos.

LEIA MAIS:
O racismo dos outros e a nossa hipocrisia


Acompanhe as novidades do blog pelo Twitter: @bololomineires

44 comentários sobre “Não somos macacos

  1. EU TENHO PAI NEGRO,NAO VEJO A COR DA PELE COMO REFERENCIA PARA A QUALIDADE DAS PESSOAS,PARA MIM A COR QUE AS PESSOA TEM NAO IMPORTA,O QUE IMPORTA E RESPEITAR O SER HUMANO, BRANCO OU PRETO.
    NESTE EPSODIO NA MINHA MODESTA OPINIAO,QUE TEM QUE SER CONTESTADO,NAO E O DANIEL OU O NEYMAR.
    MAS FEDERAÇO ESPANHOLA,A FIFA, A UEFA,QUE VANDE O FUTEBOL COMO TODA POMPA E CIRCUSTACIA,QUE VIVE DEFENDENDO O POLITICAMENTE CORRETO,E AGORA?AI FINGIR QUE NAO E COM ELES?FAZER DANCINHAS NAO PODE,JOGAR BANANAS PODE?DAR DRIBLES É OFENSA,.E O RACISMO E LEGAL?

    Curtir

    1. O que eu vejo é muito mi mi mi… Negros e brancos são iguais, inclusive em oportunidades. O que há é um grande comodismo e sensacionalismo nisso tudo… Cansei de ver negros que vencerem na vida e brancos preguiçosos e bandidos… Não há desculpa.

      Curtir

      1. Zé, não existe igualdade de oportunidades entre brancos e negros. Para não sair do futebol, quantos técnicos negros treinam times de ponta no Brasil? Quantos presidentes negros dirigem clubes? Não precisa ir longe para ver que o quanto discriminação racial está impregnada em nosso dia a dia.

        Curtir

  2. Temo que estejamos diante de um opinião viciada pela religiosidade. Percebi nas redes sociais que os evangélicos se chatearam com a declaração “Somos todos Macacos” por causa de não aceitaram a Teoria que descendemos dos macacos. Daniel Alves teve uma sacada espetacular, não merece nenhuma crítica

    Curtir

    1. Não é esse o ponto, Gilvannewton. A atitude do Daniel Alves é louvável, mas essa campanha do Somos Todos Macacos banaliza a luta contra o racismo. “Olha, vamos lá, é só não dar ideia para o racismo que uma hora ele se cansa e para de ser racista…” Não dá, né?

      Curtir

    1. A questão é outra, André. O problema da campanha não é o sentido literal da expressão, mas sim o conceito por trás, que limita a solução para o racismo ao menosprezo da ofensa.

      Curtir

  3. Desculpe meu amigo, mas precisamos virar a chavinha. Sou negra e não me ofende em nada a expressão do Neymar, muito pelo contrário, é a forma de dizer ao mundo que não somos indiferentes ao racismo mas sim aos racistas. Só se fala sobre o racismo e não há luta contra ele e essa luta silenciosa é uma luta falida, temos que mudar sim o comportamento, neste caso, dando uma banana para os racistas, tratá-los com indiferença e assim quem sabe acabar com esse mal de todos os séculos. Se todos agirem assim como o Dani Alves e Neymar e não se esconder na máscara do coitadinho a egrégora mental da humanidade dá um salto gigante para a evolução! Pense nisso!

    Curtir

    1. grandioso comentário. acaba de afirmar que é um macaco. foi tão oprimida a ponto de achar que essa é a realidade ou simplismente ignora a existencia de humanos? trata-los com indiferença? queres dizer que somos macacos então? “Ah claro, se negro é macaco branco também é..” o zumbi dos palmares deve estar confuso ao ler isso. pensamento erroneo que fazes. o ponto é que ao invés de tratar todos como macacos, devemos tratar todos como humanos.

      e se fores um macaco, que enorme capacidade cognitiva tens ao redigir este comentário.

      Curtir

    2. Penso que não se combate o racismo tratando o indivíduo racista com indiferença, EdiPaula. Pelo contrário. O problema não reside no slogan “somos todos macacos”. O que pega é o conceito simplista por trás da campanha.

      Curtir

    3. EdiPaula,

      De que ajuda uma pessoa usar da indiferença quando algum direito seu é desrespeitado? Deixar para lá vai continuar deixando essa pessoa na margem. O caso da banana acaba interferindo menos na vida dum jogador (será?!)… mas se o racismo impede uma pessoa de ter acesso à saúde, justiça, educação etc.?

      O certo então é a mãe negra “deixar para lá” quando sua vez numa fila do atendimento médico é ignorada? O certo então é o trabalhador negro “achar tudo ok” por não ser aceito numa vaga de trabalho por causa da sua cor? O certo então é achar que o adolescente negro foi parado pela polícia para uma “geral” por pura amostragem?

      Concordo que a banana jogada no DaniAlves pode não ter ofendido ele assim como você não se ofende a campanha do Neymar, excelente (mesmo!), mas quando instituições (polícia, justiça, governo, empresas etc.) classificam pessoas de maneira diferente e tratam elas de maneiras diferentes (estou falando de acesso a direitos universais e constitucionais)… indiferença não resolve!

      Resumindo: vivemos sim em uma sociedade racista e pessoas sofrem com isso em graus diferentes. Tem aqueles que se importam pouco (escutam algo grosseiro e logo passa… como a banana) e tem aqueles que são impedidos de acessar direitos necessários (justiça, saúde, educação). Enquanto nós (sociedade) continuarmos racistas…. as instituições serão racistas.

      Não sejamos indiferentes!
      🙂

      Curtir

      1. Perfeito, Marcelo! Endosso a resposta ao comentário de um leitor, que sugeriu que não levasse o mundo tão a sério: “Eu conseguiria levar o racismo “na boa” se a maioria da população negra no Brasil ainda não estivesse alijada das universidades, de postos nobres de trabalho e comando. Se o racismo velado não impedisse tanta gente de ascender socialmente. Se o racismo escrachado não machucasse tanto o negro que vê seu filho ser discriminado na escola. Eu adoraria viver num mundo em que pudéssemos tratar de racismo com bom humor e desprendimento, mas a realidade ainda não permite, não só a mim, mas a milhões de negros espalhados por todos os cantos, que assinemos a carta de alforria ao nosso passado de escravidão.”

        Curtir

  4. Caro Breiller! Não leve o mundo tão a serio! Até porque você não vai sair vivo dele! O mundo só vai se libertar do racismo justamente quando dermos as costas para esse passado sombrio de escravidão, e olharmos para frente, para o que construirmos daqui para frente. Se liberte desse fantasma, isso depende de cada um de nós.

    Curtir

    1. Oseas, eu conseguiria levar o racismo “na boa” se a maioria da população negra no Brasil ainda não estivesse alijada das universidades, de postos nobres de trabalho e comando. Se o racismo velado não impedisse tanta gente de ascender socialmente. Se o racismo escrachado não machucasse tanto o negro que vê seu filho ser discriminado na escola. Eu adoraria viver num mundo em que pudéssemos tratar de racismo com bom humor e desprendimento, mas a realidade ainda não permite, não só a mim, mas a milhões de negros espalhados por todos os cantos, que assinemos a carta de alforria ao nosso passado de escravidão.

      Curtir

  5. Bom, lá vou eu para mais um post polêmico sobre essa IDIOTICE da banana, claramente “VIRALIZADO (existe essa palavra?)” por puro OPORTUNISMO: em primeiro lugar, o Homo-Sapiens (nossa espécie) sim, é um primata, e os parentes “genéticos” mais próximos do nosso grupo são os GORILAS, porém, nós não evoluímos a partir daquela espécie, e compartilhamos apenas uma herança genética, um ancestral comum, portanto não somos MACACOS. Somos a única espécie viva do Gênero HOMO.
    Segundo lugar, RACISMO por segregação de COR é uma coisa completamente IDIOTA sem o menor sentido, uma vez que o BERÇO DA CIVILIZAÇÃO MODERNA foi a região de ANGOLA, com fronteira com a NAMÍBIA, portanto, TODOS NÓS somos decentendes do continente africano, isso mesmo meu amigo, a nossa espécie se desenvolveu a partir de UM ÚNICO GRUPO da única raça sobrevivente do genero HOMO, a mais de 200mil anos. As pigmentações e características físicas distintas entre os humanos, dá-se simplesmente por uma adaptação biofísica em decorrência das condições climáticas e geográficas de distintas regiões do planeta, para aonde o HOMO SAPIENS ARCÁICO da ÁFRICA migrou em diversos momentos da nossa história. Porém, sua evolução morfológica, O desenvolvimento fisiológico e comportamental , é HOMOGÊNEA ou seja , não possuimos diferenças genéticas significantes mesmo porque , somos todos da MESMA ESPÉCIE.
    Agora por favor, o próximo que me comparar a um MACACO ou disser que, eu sou diferente de outro humano da MESMA ESPÉCIE QUE EU, faça-me um favor: me delete de sua lista de amigos.
    ‪#‎NÃOSOMOSMACACOS‬

    Curtir

  6. Considerando esse manifestação em apoio a Daniel Alves dizendo que somos macacos seria como se o cara jogasse um livro e ele parasse a partida para lê-lo. Depois assinariam embaixo #somostodosignorantes. Apesar do que jå ficou subtendido isso.
    Eu não sou macaco!!!!

    Curtir

  7. Claro que devemos discutir sobre o racismo e tal, mas acho que o ao do cara lá na Espanha foi xenofóbico e não racista, no Brasil no Dani Alves (e nem o Neymar) são considerados negros. O que pega é que assim como fazem na Agentina onde nos chamam naturalmente de macaquitos é que foi uma ação xenofóbica contra um latino americano e não racista. só acho.

    Curtir

    1. De fato, o lado xenofóbico também pesa nesse caso, Douglas (o que não tira a gravidade do ato de racismo). Quando Tinga foi alvo de discrminação no Peru, muitos brasileiros devolveram a agressão com insultos xenofóbicos ao povo peruano. Coerência zero!

      Curtir

  8. Se a ciência diz :
    Que todos nós viemos do macaco , por que essa discriminação. Se viemos do macaco antroplogicamente falando , somos todos iguais.

    Curtir

    1. A questão é outra, Adriane. O problema da campanha não é o sentido literal da expressão, mas sim o conceito por trás, que limita a solução para o racismo ao menosprezo da ofensa.

      Curtir

  9. Para os que defendem a infeliz associação entre negros e macacos, saibam que essa ideia surgiu de uma pesquisa pseudo-científica realizada no século XVIII que considerava o negro como elo entre os macacos e os brancos. Isso foi utilizado ao longo da história para justificar todo o tipo de absurdos cometidos contra os negros.
    Repetir e reforçar essa associação, mesmo que de forma sarcástica, incorre no risco de reforçar a segregação. Não sejamos estúpidos.
    Somos todos HUMANOS!!!!!!!

    Curtir

  10. “Ignorar o preconceito ou debochar da estupidez do torcedor que atira uma banana ao gramado é dar as costas ao nosso passado de escravidão”.
    Mas não é exatamente isso que precisamos fazer? Deixar o passado para trás e acabar com essa merda de racismo?

    Não concordo com o texto….
    Somos todos macacos sim.
    Inclusive você.

    Curtir

  11. Não estamos falando da teoria darwinista, e sim da associação pejorativa que fazem entre macacos e negros. Quando dizemos Somos Todos Macacos reafirmamos o preconceito de cor, o que abre brecha para esse tipo de insulto. Diminuir o debate sobre racismo, também diminui outras questões. Por exemplo, será necessário fazermos uma campanha pró-estupro só pra isso ficar normal e homens machistas e nojentos pararem de estuprar? Isso está muito errado. Somos seres humanos e lutamos pela igualdade social, sem preconceito de cor, sem homofobia e machismo!

    Curtir

  12. Renderson, vc não entendeu a ideia. Quando dizemos que somos todos macacos queremos dizer que somos todos iguais. E sim, somos macacos, mais um membro do grupo dos primatas. Somos animais, como qualquer outro que existe, e não somos superiores a eles, somos apenas mais uma espécie de animal da terra. E quanto à ignorância do jornalista a esse assunto, só tenho a lamentar. Quando for emitir sua opinião, informe-se mais a respeito pra não falar do que não sabe. E para os que se dizem não macacos, informem-se.

    Curtir

  13. gostei do texto e concordo ,então quer dizer se amanhã ou depois alguem debochar de um negro e o chamar de macaco ficaria por isso mesmo? não , #nãosomosmacacos

    Curtir

  14. Neste país, criminosos tem mais direitos que os cidadãos. São eles que nos aterrorizam e é neles que pensamos todo o dia qdo vamos sair de casa, seja de noite, ou qdo nos dirigimos até um estacionamento, ou qdo abrimos a bolsa na calçada! Estamos sempre pensando “neles”. Faltam ações punitivas, e acho que faltam ainda mais ações punitivas exemplares. Este é só mais um caso. Presidiário tem que ter segunda chance, sim. Mas será que estes que matam e dão pros cachorros comerem merecem? ou os que jogam os filhos da janela (Nardoni)? ou os que matam os próprios pais (caso Richthofen). O Brasil já padece por solucionar (isto é, colocar na cadeia mesmo) em torno de 1% dos criminosos. Isto é, quem escolhe cometer um crime, tem 99% de chance de sair livre deste. Então, acho que estes casos que tem maior repercussão, pelo menos estes, com esta gravidade, deveriam ter ações punitivas exemplares. Então essa capa, pra mim, representa o início do fim. No momento em que as leis estão equivocadas e que a sociedade discorda disso mas não se mexe para pedir que elas mudem, é uma coisa. Mas no momento que estampamos uma revista nacional, de futebol, com um assassino na capa, tenho a impressão que estas atrocidades estão estabelecidas como NORMAIS. vocês, da PLACAR, deveriam se envergonhar de tornar TUDO ISSO NORMAL.

    Curtir

  15. “Ninguém merece ser chamado de macaco sob o estigma da segregação racial”. OK, nesse ponto tem toda razão.

    Mas sim, vc é um macaco. Eu sou um macaco. Todos nós, Homo sapiens somos macacos e nosso irmão vivente mais próximo é o Chimpanzé. Sei que biologia e evolução infelizmente passam muito longe da população em geral ( e sei disso na prática, afinal sou biólogo e professor), mas não é por isso que um FATO será relegado.

    Chamar o outro de macaco com intuito de ofendê-lo e minimizá-lo é um ato covarde e desprezível. Dizer que nós todos (sim, todos nós) somos macacos é um fato. E continuará sendo um fato, mesmo que neguem ad eternum.

    Curtir

  16. ESSE IMBECIL DESSE NEIMAR QUER APARECER MAIS QUE JÁ APARECE, NÃO É NADA DE SOLIDARIEDADE OLHA SE POR DETRÁS DE TUDO NÃO TEM UMA EMPRESA FATURANDO ALTO COM ESSA DE DIZER SOMOS TODOS MACACOS, E AINDA TEM IMBECIL DE UM POVINHO QUE VAI NA ONDA DELE INCLUSIVE ALGUNS PUXA SACO DA IMPRENSA POIS TEM QUE DAR NOTICIA NEM QUE FOR DE NOTICIA IMBECIL.. COMO DIZ ALEXANDRE NOS VIDEO DELE ÕÔÕ POVINHO.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s